domingo, 1 de novembro de 2009

Capacitores com polaridade

Qual é o terminal que funciona como blindagem?

Como o leitor sabe, quando se ligar um capacitor eletrolítico num circuito temos que levar em consideração a sua polaridade. Se um capacitor deste tipo for ligado ao contrario, começa a aquecer acabando por romper ao fim de pouco tempo e ficar completamente inutilizado. Se for submetido a uma tensão muito elevada, o aquecimento é rápido e até poderá explodir. Os capacitores não polarizados podem ser ligados a um circuito com qualquer orientação e só fundirão se forem sujeitos a uma tensão muito superior ao valor inscrito no seu encapsulamento. No entanto, existem capacitores deste tipo que também possuem pseudo-polaridade. Estamos falando dos capacitores, em que as películas metálicas que formam as duas placas, são enroladas formando uma espécie de bobina. Este tipo de construção era muito comum no tempo das válvulas, mas ainda continuam a aparecer à venda no mercado. Normalmente, o terminal da placa exterior esta marcado com uma faixa ou um ponto, mas infelizmente em outros casos não existe qualquer identificação. O terminal da placa exterior deve ser sempre ligado a massa do circuito. Se assim não for, nos circuitos eletrônicos sensíveis (pré-amplificadores, por exemplo) poderá ocorrer ruído, ou mesmo tendência para oscilação. Por exemplo, quando um destes capacitores é utilizado para transferir o sinal para a grade de uma válvula (entrada de alta impedância), o terminal da placa interior do capacitor deve ficar para o lado da grade e o terminal da placa exterior ligado ao anodo da válvula anterior, que possui menor impedância.

O teste

Quando um capacitor não possui qualquer marcação, mas o leitor desconfia que ele é o responsável pelo ruído gerado num circuito de áudio, existe um processo simples para determinar qual e o terminal ligado a placa exterior. Basta aplicar um sinal senoidal, com frequência da ordem de 1 kHz e amplitude pica a pico de dois a três Volts, nos terminais do capacitor, tal como mostra a figura 1.

Figura 1 - Processo para testar um capacitor

Depois, o canal X de um osciloscópio recebe o mesmo sinal da ponta de teste do canal Y que e mantida encostada ao encapsulamento do capacitor. Selecione o modo X-Y e na tela deve aparecer uma elipse mais ou menos achatada. Se a elipse achatar no sentido do eixo Y quando a ponta de teste é afastada do corpo do capacitor (figura 2), o terminal da placa exterior esta ligado ao lado "quente" do sinal senoidal.

Figura 2 - Esquerda: ponta de teste encostada. Direira: ponta de teste afastada

O lado frio é o que está ligado à massa. No caso contrário, isto é, se a elipse aumentar, o terminal da placa exterior está ligado à massa. Para maior garantia, troque a ligação dos terminais do capacitor e repita o teste. Podem existir varias razões para não verificar qualquer alteração na forma da elipse. O capacitor não é do tipo bobinado, a tensão, ou a frequência do sinal é demasiadamente baixa, o canal Y está ajustado para baixa sensibilidade, ou o efeito das suas mãos está interferindo com o teste. Muitas vezes, aplicando na ponta de teste Y um pequeno disco metálico, obtêm-se melhores resultados, porque se aumenta o acoplamento capacitivo. Depois de ter identificado as legações internas dos terminais de um capacitor, não quer dizer que outros capacitores iguais apresentem a mesma ligação. O autor do artigo já detectou inúmeras vezes discrepâncias deste tipo, mesmo para capacitores iguais comprados ao mesmo tempo.

Fonte - Elektor nº35 - Fevereiro de 2005

2 comentários:

Banco de Capacitores disse...

Muito bacana o artigo, se tiverem mais informações estou pesquisando sobre engenharia elétrica, correção do fator de potência e banco de capacitores.

Picco disse...

Obrigado pela visita, não sei se tenho mais sobre capacitores, se tivér eu posto ok.

Um abraço