quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Um planeta nascerá em berço esplêndido



Nascimento de um planeta

Esta concepção artística espetacular mostra uma massa disforme de material em um turbilhão que deverá resultar na formação de um novo planeta. A imagem foi composta a partir de dados coletados pelo Telescópio Espacial Spitzer. O que chama a atenção é a formação absolutamente inédita que se observa no disco. Segundo os astrônomos, os dados indicam que o conjunto é formado por uma estrela central que deve ter um companheiro, que tanto pode ser outra estrela quanto um planeta. Juntos, os dois empurram os anéis que um dia resultarão na formação de um novo planeta - na concepção artística, o companheiro está representado como um planeta. Segundo a teoria atual, os planetas formam-se a partir de discos giratórios de gases e poeira. Conforme o material começa a se aglomerar, o planeta nascente vai "escavando" o disco, atraindo cada vez mais matéria para si próprio, até a virtual extinção de todo o disco original. Usando a visão infravermelha do Spitzer, os astrônomos descobriram essa formação inusitada ao observar a estrela LRLL 31, localizada a cerca de 1.000 anos-luz de distância da Terra, na constelação de Perseu. Os dados indicam que o anel de poeira e gás já está dividido em dois.

Luz oscilante

Outro dado que intrigou os cientistas é que a luz infravermelha do disco está se alterando em um período de apenas uma semana, algo completamente inesperado porque é rápido demais para os padrões os eventos cósmicos - os diferentes comprimentos de onda da luz captados oscilam, com a luz com comprimento de onda menor se elevando quando a luz com comprimento de onda maior se reduz, e vice-versa. Foi essa variação que levou os astrônomos a concluírem pela existência do companheiro da estrela principal. Conforme o companheiro gira, sua gravidade força a parede do disco interno a formar uma protuberância. Essa protuberância também pode surgir com o movimento da estrela, sombreando uma parte do disco externo. Quando o lado brilhante da protuberância está no lado mais distante da estrela, voltado para a Terra, mais luz infravermelha de comprimento de onda mais curto pode ser observada (o material mais quente mais próximo à estrela emite luz infravermelha com comprimentos de onda mais curtos). Além disso, a sombra da protuberância pode diminuir a luz infravermelha de comprimento de onda maior vinda do disco externo. O oposto deve ser verdade quando a protuberância está na frente da estrela e seu lado brilhante está escondido, fazendo diminuir os comprimentos de onda menores e aumentar os comprimentos de onda maiores captados pelo telescópio. Essas hipóteses coincidem exatamente com os dados observados pelo Spitzer. O tamanho da protuberância e do planeta-companheiro foi exagerado para ilustrar melhor a dinâmica do sistema.


Fonte: Inovação Tecnológica

Nenhum comentário: