domingo, 31 de maio de 2009

Calendário lunar

Para aqueles que gostam, um pequeno calendário lunar muito interessante.

Calendário lunar - Download

Fórmulas

Trago aqui um pequeno conjunto de fórmulas usadas em diversas áreas de exatas, é so clicar na imagem e depois, com o botão direito em "salvar imagem como".

sábado, 30 de maio de 2009

Memória "eterna" poderá guardar dados por 1 bilhão de anos

No início eram os disquetes, depois vieram os discos ópticos e agora é a vez dos pen-drives. Geração a geração da tecnologia, torna-se cada vez mais fácil e prático carregar volumes de dados cada vez maiores. Contudo, a tecnologia ainda não resolveu um problema que está preocupando cada vez mais os pesquisadores e, sobretudo, os bibliotecários: os melhores dispositivos de armazenamento atuais têm uma vida útil entre 10 e 30 anos. O mais durável sistema de armazenamento atual, as fitas magnéticas, tem uma vida estimada em 100 anos. E só as empresas e bancos guardam informações nesse tipo de mídia. Todo o esforço de digitação de obras científicas e artísticas, vistas hoje como sinônimo de qualidade e modernidade, trazem consigo um risco inerente: o de não poderem ser lidas dentro de poucos anos.

Memória eterna

Mas a solução pode estar a caminho. Ainda que a filosofia e a teologia não tenham conseguido produzir definições adequadas de eternidade, levando-se em conta os poucos milhares de anos da história humana na Terra, uma memória capaz de durar 1 bilhão de anos de fato merece o título de uma "memória eterna". O professor Alex Zettl e seus colegas da Universidade de Berkeley (EUA) criaram o protótipo de uma memória digital formada por uma nanopartícula de ferro inserida dentro de um nanotubo de carbono. Na presença de eletricidade, a nanopartícula pode ser deslocada para um lado e para o outro no interior do nanotubo, representando o 0 e o 1 digitais conforme ela esteja de um lado ou de outro. Dois elementos destacam-se na pesquisa: o uso dos promissores, mas até agora pouco utilizados na prática, nanotubos de carbono, e o fato de que a memória não utiliza silício, o material por trás de toda a revolução tecnológica da eletrônica e da computação.

Bit eterno

No laboratório e nas simulações teóricas, os pesquisadores confirmaram que uma memória construída com esse bit de nanotubo de carbono e nanopartícula de ferro atingirá uma capacidade de armazenamento de 1 terabyte por polegada quadrada. As simulações também mostraram que o "tempo de decaimento" do "bit eterno" - uma alteração aleatória induzida pela agitação térmica dos átomos - supera 1 bilhão de anos. No estudo, que será publicado no exemplar de Junho do periódico científico Nano Letters, os cientistas citam o fato de que o Livro do Apocalipse de William, o Conquistador, escrito em couro no ano 1086, sobreviveu por 900 anos, chegando até nós. Mas uma versão digitalizada da obra, gravada em 1986, não pode mais ser lida em 2006, apenas 20 anos depois.

Desafios eternos

As pesquisas prosseguirão, agora na tentativa de viabilizar a fabricação dos bits eternos em larga escala. Os desafios a vencer são os mesmos com que se deparam todas as pesquisas que procuram explorar as incríveis propriedades dos nanotubos de carbono - a dificuldade de fabricá-los de forma controlada, sistemática e com alta qualidade.

Fonte: Inovação Tecnológica

terça-feira, 26 de maio de 2009

Intensivo de férias - Grande Porte TI

Uma dica para o pessoal que tem interesse em fazer cursos na área de TI.
Grande Porte TI

Clique na imagem

Cuidados na utilização de transistores de potência de RF

Deve-se observar que um transistor de potencia de RF deve operar sempre dentro da faixa de potência para o qual ele foi fabricado, sob pena de não apresentar o rendimento esperado. Assim, não se deve utilizar um transistor de, por exemplo, 20W, numa potência muito inferior (5W), ou superior (30W). No primeiro caso, o seu desempenho será inferior ao de um transistor apropriado para aquela potência. No segundo caso o transistor terá sua vida útil comprometida.

Outro problema é a utilização de transistores fabricados para as faixas de VHF e UHF em amplificadores de HF. Tais transistores possuem uma fT muito elevada, fazendo com que, também, o ganho seja elevado em baixas-frequências (inferiores a 30 MHz). Para a utilização desses transistores, é necessário o uso de redes amortecedoras de baixa frequência em paralelo com a base.

Para finalizar, seguem-se alguns conselhos e recomendações que dizem respeito ao uso de transistores de potência RF.

a) Deve-se prover um meio adequado para dissipar o calor gerado pelo funcionamento do transistor mediante o uso de dissipadores de calor: um transistor de RF deve funcionar frio ao toque. Excesso de temperatura causa perda de potência e aumenta a dissipação de calor, podendo provocar uma avalanche térmica, com consequente dano para o transistor.

b) O ganho de corrente de um transistor de potência de RF varia de forma inversamente proporcional à corrente de coletor. A corrente de pico é determinada, assim, pela diminuição aceitável da amplificação em alta frequência. Isso e importante quando a tensão de alimentação é baixa e se usa modulação em amplitude.

c) O regime de tensão entre coletor e base não deve ser excedido para que não ocorra ruptura da junção. Isso pode ocorrer, principalmente quando se usa modulação em amplitude e a carga se encontra reativa, seja pelo descasamento de impedância com a antena, seja durante o processo de ajuste de sintonia.

d) A frequência de transição, fT, do transistor deve ser muito superior a frequência de operação do amplificador. Como a frequência de transição é função da corrente e, normalmente, diminui para correntes elevadas de emissor, deve-se determinar o nível da corrente de trabalho antes de escolher o transistor. Uma alta fT em correntes elevadas é própria de um bom transistor de potência de RF.

e) Em uso móvel, um transistor de potência de RF está sujeito a condições severas de descasamento de impedâncias, causadas por linhas de transmissão ou antenas defeituosas. Para suportar os regimes elevados de tensão e corrente, resultantes destas condições adversas, o transistor deve ser montado num bom dissipador de calor, capaz de manter baixa a temperatura da junção.

Fonte:
Telecomunicações
Juarez do Nascimento
Makron Books

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Bateria a ar pode durar 10 vezes mais que baterias de lítio

Engenheiros da Universidade St. Andrews, no Reino Unido, desenvolveram um novo tipo de bateria que utiliza o ar ambiente para substituir um dos componentes químicos utilizados nas baterias de lítio atuais. A nova "bateria a ar" eleva em até 10 vezes a capacidade de armazenamento de energia em comparação com as baterias atuais e poderá ser mais barata, já que substitui o óxido de lítio por uma estrutura de carbono.


Diagrama da bateria a ar tipo STAIR. O oxigênio do ar reage com íons de lítio no interior do material poroso de carbono para liberar as cargas elétricas.[Imagem: University of St Andrews]


Fontes de energia limpa

Os pesquisadores esperam ter a bateria pronta para comercialização em cerca de dois anos, o que poderá criar uma nova geração de veículos elétricos e viabilizar fontes alternativas de energia limpa, como a energia solar e a energia eólica. Com baterias mais eficientes, a energia captada durante os momentos de ventos fortes e durante o dia poderá ser armazenada para liberação durante os momentos de calmaria e à noite, transformando os geradores solares e eólicos em fontes de suprimento contínuo de eletricidade.

Substituindo óxido de lítio por oxigênio do ar

A maior capacidade de armazenamento de energia da nova bateria deve-se à adição de um componente que utiliza o oxigênio retirado do ar atmosférico durante o descarregamento, quando a bateria está sendo utilizada. O oxigênio substitui um dos compostos químicos utilizados nas baterias recarregáveis atuais.Sem precisar conter o composto químico em seu interior, o novo design oferece mais energia para o mesmo volume de bateria. A redução do tamanho e do peso das baterias é um dos elementos necessários para viabilizar definitivamente os veículos elétricos. A bateria a ar, batizada de STAIR (Saint Andrews Air), deverá ser mais barata do que as atuais baterias recarregáveis. Isto porque o novo componente é feito de carbono poroso, que é muito mais barato do que o óxido de lítio-cobalto utilizado hoje. "Nosso objetivo é ter um incremento de 5 a 10 vezes na capacidade de armazenamento, o que está além do horizonte para as baterias de íons de lítio," diz o professor Peter Bruce, coordenador do projeto. "Nossos resultados estão sendo muito encorajadores e já superaram largamente nossas expectativas." A grande descoberta da equipe do professor Bruce foi usar o oxigênio do ar como reagente, em vez de incluir na bateria os compostos químicos necessários à reação.

Funcionamento da bateria a ar

As baterias recarregáveis de lítio atuais são formadas por um eletrodo negativo, feito de grafite, um eletrólito orgânico e um eletrodo positivo, feito de óxido de lítio-cobalto. O lítio é retirado do composto do eletrodo positivo durante o carregamento da bateria e reinserido nele quando sua energia está sendo consumida. Ou seja, a capacidade de armazenamento de energia dessas baterias é limitada pelo eletrodo de óxido de lítio-cobalto (0,5 Li/Co, 130 mAhg-1). Os pesquisadores substituíram o óxido de lítio-cobalto por um eletrodo poroso de carbono, permitindo que os íons de lítio reajam com o oxigênio do ar. Os resultados iniciais, quando os pesquisadores descobriram que poderiam criar uma bateria recarregável desta forma, mostraram uma capacidade de 1.000 mili-amp/hora por grama de carbono (mA/hours/g). Os resultados agora apresentados já revelam uma capacidade de 4.000 mA/hours/g. Embora os dois designs sejam muito diferentes, a capacidade de energia da bateria a ar equivale a um incremento de 8 vezes quando comparada com a bateria de um telefone celular. O oxigênio, que é capturado do ar atmosférico por uma superfície da bateria exposta ao ar, reage no interior dos poros do material de carbono para liberar a energia contida na bateria. Além do oxigênio do ar ser de graça, a esponja de carbono pode ser fabricada de forma muito barata mesmo hoje, quando ainda não há ganhos de escala. O projeto de pesquisa que levou à criação da bateria a ar já consumiu dois anos de trabalho e está planejado para durar outros dois, quando os pesquisadores esperam ter um produto pronto para a comercialização.

Fonte: Inovação Tecnológica

sábado, 16 de maio de 2009

Circuitos e E-books

Disponibilizei meus livro e circuitos em um HD virtual 4Shared, abaixo do arquivo do blog estão os links para as pastas. Os circuitos que estão nas pastas são na maioria tirados da própria internet assim como alguns livros, como na época que copiei os esquemas não pensava em editar nenhum blog não tenho referências, portanto aqueles que tem algum esquema do seu site ou blog postado aqui e quiser que eu coloque um link de referência entre em contato através do e-mail que está no perfil.
Coloquei também um link para a pasta que contém esquemas de ligação de alarmes, módulos, travas elétricas, etc. para carros, tenho mais coisas para por nesta pasta com o tempo vou escanear e colocar.
Outra pasta com e-books no 4Shared está aqui, para aqueles que gostem de medicina, biologia, ecologia entre outros, cortesia do excelente blog de ciências Bofana Ciências, que permitiu a disponibilização do link.

Atenção: Não me responsabilizo pelo mau funcionamento e/ou uso indevido dos circuitos da pasta.

Análise de circuitos em corrente contínua

Mais um livro usado pelos professores de ETEs, excelente referência para o técnico eletrônico.


sábado, 9 de maio de 2009

10 de Maio de 2009 - Dia das Mães

A todas aquelas super mulheres que sempre esteve do nosso lado nos melhores e piores momentos da nossa vida, que esteve nos aturando todo esse tempo, e que é e sempre será a única mulher da nossa vida. A todas as mães desse planeta deixo aqui meus sinceros votos de muita paz, amor, saúde e felicidade.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

China inaugura seu acelerador de partículas



A China terminou a construção do seu acelerador de partículas, o SSRF - Shangai Synchrotron Radiation Facility, ou acelerador de partículas de Xangai, que já nasce como a maior plataforma de pesquisas na China na área de física, biologia e materiais.
O acelerador do SSRF mede 432 metros de circunferência, opera com uma energia de 3,5 gigaeletron-volts (GeV). Sua construção levou cinco anos e custou US$176 milhões.
O SSRF possui sete feixes e estações experimentais, permitindo que múltiplos experimentos sejam conduzidos em diversas áreas, como ciências biológicas e médicas, novos materiais, física e bioquímica.
Os raios X superfortes produzidos pelo acelerador permitirão a análise detalhada em altíssima resolução de diversos tipos de materiais, incluindo proteínas e compostos destinados ao desenvolvimento de novos medicamentos.

Fonte: Inovação Tecnológica

terça-feira, 5 de maio de 2009

Apostila de Química e Astronomia

Duas excelentes apostilas achadas na net. Uma sobre química clássica do grupo Tchê Química e a outra do INPE sobre astronomia e astrofísica. Vale a pena ter como material de estudos e consultas.


Introdução clássica à química geral - Download

Introdução à Astronomia e Astrofísica - INPE - Download

Análise de circuitos em corrente alternada

Este é um livro usado por professores de ETEs de São Paulo e agora disponibilizo para os alunos e todos aqueles que necessitam de uma referência sobre Corrente Alternada.