segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Novo recorde de velocidade da corrente elétrica


A corrente elétrica recordista oscilou a cerca de 8 petahertz - um milhão de vezes mais rápido do que a eletricidade fluindo por um processador de computador.



Recorde da eletricidade

No campo da eletrônica, quanto menor, melhor. Alguns componentes usados na construção dos computadores ou dos telefones celulares, no entanto, tornaram-se tão pequenos que são formados por alguns poucos átomos. Assim, dificilmente será possível reduzi-los ainda mais. Felizmente, há outro fator determinante para o desempenho dos aparelhos eletrônicos: a velocidade com que as correntes elétricas oscilam.

Foi aí que os físicos do Instituto Max Planck de Óptica Quântica, na Alemanha, inovaram: eles produziram correntes elétricas dentro de materiais sólidos - como os usados na construção de componentes eletrônicos - que ultrapassam a frequência da luz visível em mais de 10 vezes. Eles fizeram os elétrons no dióxido de silício oscilarem disparando pulsos de laser ultrarrápidos. A condutividade do material - que é tipicamente usado como um isolante - foi aumentada em mais de 19 ordens de grandeza.

As correntes elétricas detectadas atingem 8 petahertz, aproximadamente um milhão de vezes mais rápidas do que as correntes que circulam nos processadores de computador mais modernos - isto é, a abordagem pode abrir o caminho para a criação de chips eletrônicos que sejam um milhão de vezes mais rápidos do que os atuais.

Velocidade da corrente elétrica

As técnicas eletrônicas convencionais não conseguem gerar e nem capturar essas correntes elétricas rápidas porque, nos circuitos convencionais, os elétrons são empurrados pelo campo elétrico das fontes elétricas que os alimentam - como as baterias - para oscilarem e saírem disparados pelos condutores e semicondutores. Contudo, ainda que todos os elétrons inicialmente acompanhem a força dos campos da bateria, eles eventualmente colidem com outras partículas mais lentas - átomos ou íons -, o que faz com que percam a sincronia uns com os outros, diminuindo a velocidade da corrente elétrica como um todo.

Já os campos de luz muito fortes podem empurrar os elétrons a uma velocidade muito mais rápida porque o laser os faz oscilarem muito rapidamente, criando correntes antes que qualquer outra partícula no sólido tenha a oportunidade de se mover.

Unificação da fotônica com a eletrônica

A possibilidade de substituir por luz as fontes convencionais de energia elétrica, a fim de gerar correntes elétricas dentro dos materiais sólidos - sejam fios ou transistores -, tem capturado a imaginação dos físicos há mais de um século, mas só recentemente as tecnologias necessárias para isso ganharam momento.

"Conforme os elétrons se movem de forma coerente, eles também geram luz, que é o elemento-chave da fotônica. Por este motivo, poderemos em breve unificar duas importantes áreas da ciência e da tecnologia modernas: a eletrônica e a fotônica," prevê o professor Eleftherios Goulielmakis, líder da equipe.



terça-feira, 18 de outubro de 2016

Dica de componente para receptor

Essa é uma dica pra quem retira os componentes das placas para reaproveitar nas montagens e gosta de montar receptores.



segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Motor flexível e programável para microrrobôs


Qualquer que seja o movimento escolhido, os robôs movem-se em alta velocidade, controlados por um campo magnético externo.


Movimento biomimético

Há poucos dias, engenheiros coreanos apresentaram o primeiro microrrobô a se mover como um paramécio, usando o movimento ciliar. Essa imitação do movimento dos microrganismos agora vai ficar mais fácil e versátil graças ao impulso dado por Guo Zhan Lum e seus colegas do Instituto de Sistemas Inteligentes em Stuttgart, na Alemanha.

Lum criou um material flexível que responde a campos magnéticos externos. Com isto, torna-se possível imitar não apenas os cílios, mas também outras formas de movimentos, como os flagelos, caudas e até o jeitão simpático de deslocamento das águas-vivas - isto porque, além de funcionar como motor, o elastômero pode ser usado para fabricar o robô inteiro. O músculo artificial flexível, contudo, é apenas a primeira parte do trabalho para fazer o robô se movimentar efetivamente: A equipe precisou desenvolver um algoritmo que calcula as condições ótimas de controle do campo magnético para que cada estrutura se movimente de forma a prover o impulso necessário para cada robô.

Elastômero funcionalizado

O músculo artificial é um elastômero funcionalizado, uma borracha de silicone na qual é incorporada uma mistura de nanopartículas de neodímio, ferro e boro. As nanopartículas são adicionadas como um gradiente, de modo que diferentes partes apresentem diferentes intensidades de magnetização. Assim que a borracha é colocada sob a ação do campo magnético controlado pelo algoritmo, seu formato se altera de modo coordenado, fazendo-a ondular e prover impulso para o microrrobô.

De acordo com a equipe, outras aplicações poderão se beneficiar dessa "tecnologia de programação da forma das estruturas", incluindo dispositivos em microescala como os biochips e os microlaboratórios, nos quais os processos químicos e físicos são implementados em escala minúscula.


domingo, 9 de outubro de 2016

Revistas Elektor




Nesse período em que eu estava em contato com o pessoal da revista Elektor para que fosse permitido que eu disponibilizasse as edições da revista da década de 1980 aqui no blog eles aproveitaram para oferecer um desconto para os leitores do blog que tem interesse em fazer uma assinatura na revista digital.

É um desconto de 50% no valor para assinaturas Green membership que dá direito a seis edições da revista digital, acesso aos arquivos Elektor e aos arquivos Gerber referentes aos projetos publicados e que vocês podem acessar por esse link, basta você digitar o código do desconto PICCO16 no link "Do you have a coupon code". Essa promoção é válida até 30 de novembro de 2016.

Para quem quer ter acesso a esquemas e materiais de primeira qualidade essa é a oportunidade ideal.

Sony Mod. TR-1300